ANTES QUE EU ME ESQUEÇA

0


A história gira em torno de Polidoro (José de Abreu), um juiz aposentado que, aos 80 anos, decide tornar-se sócio de uma boate de strip-tease. Enquanto isso sua filha Bia (Letícia Isnard) entra com uma ação para interditá-lo, mas para que o juiz aprove essa ação, é preciso que Paulo (Danton Mello), filho de Polidoro, opine sobre o assunto. Paulo, entretanto, não se relaciona com o pai há anos, e então o juiz determina que ele deve realizar visitas semanais ao pai para que ele, enfim, consiga se posicionar sobre o assunto.

Vamos ajudar alguém?

0

O intuito do Projeto “CqC – Cartas que curam” é alcançar vidas que estejam com depressão, moradores de rua, alcoólatras, encarcerados, enfim

Precisamos adentrar estas vidas… Nos deparamos com famílias em total vulnerabilidade, sem ajuda alguma, sem um carinho sincero, sem um abraço que aquece alma.

Milhares de pessoas precisando se encontrar, precisando se sentir úteis para si e para os outros…

Milhares de pessoas perdidos nos guetos da vida sem encontrar uma saída

Há milhares de vidas precisando ser resgatadas.

Você conhece alguém que precisa receber uma carta do nosso projeto “ Cartas que curam”?

Nos mande um email para institutobernalmeida@gmail.com com com nome, endereço, cep nos dizendo a razão porque você acha que essa pessoa precisa de uma carta, mas não diga a ela que você a inscreveu em nosso projeto, nossas cartas  são sigilosas e ninguém sabe quem vai escrever  e nem  quando irá receber uma.

Projeto CqC – Cartas que curam

0
Alguém em algum lugar deste imensurável universo está pensando em você

Quando foi a última vez que você ouviu o carteiro gritar seu nome no portão, e você corria saltitante de alegria, para saber o que era.

Era uma carta, lembra?

Lembra quem tirou um tempinho de sua vida para lhe mandar uma missiva de próprio punho?

E a saudade em abrir ofegante o envelope, ler todas aquelas declarações que enchiam seu coração de paz e felicidades.

Quantas vezes essas cartas vinham em forma de abraço nas noites frias do inverno?!

Cartas que aqueciam a alma, enobreciam nosso espirito e podíamos dormir,porque sabíamos que alguém se preocupava conosco.

Quantas pessoas hoje você acha que estão precisando de receber cartas pelo menos para lhes perguntar ” Como vai você?”, para lhes dizer o quanto senti sua falta…

Cartas para dizer as pessas que você nunca viu na vida, o quanto elas são importantes neste importantes neste nosso Universo.

Cartas para dizer as pessoas que você nunca viu na vida, o quanto elas são importantes neste nosso Universo.

É, você não deve fazer ideia de quantas pessoas passam 48 horas/dia cuidando de alguém e não aparece ninguém para lhe dizer o quanto ele é importante, se ele precisa de alguma coisa.

Você não faz ideia de quantas pessoas estão na rua precisando se sentir amados por mim, por você, pela família.

Quando foi a última vez que você se doou a alguém?

Escreveu de próprio punho para uma pessoa com depressão?

Você sabe quantas pessoas tentam por dia, se matar?

Você sabe o nome do seu vizinho? Já escreveu uma carta para ele/ Já disse a ele que é feliz por morarem na mesma rua?

Sabe de uma coisa?

O mundo está precisando de ESCREVEDORES DE CARTAS.

Seja um!

Úlceras de tornozelo?

0

Uma úlcera é uma lesão ou ferida aberta no corpo que demora a cicatrizar ou continua retornando. As úlceras resultam da quebra do tecido da pele e podem ser dolorosas. Existem três tipos diferentes de úlceras:

  • estase venenosa
  • diabético (neurotrófico)
  • arterial

As úlceras de estase venosa são o tipo mais comum de úlcera da parte inferior do corpo, especialmente nos tornozelos.

Segundo a Cleveland Clinic, as úlceras de estase venosa são responsáveis ​​por 80 a 90% das úlceras que afetam a parte inferior das pernas.

O que causa úlceras no tornozelo?

Úlceras de estase venosa são tipicamente devidas a uma condição chamada hipertensão venosa ou insuficiência venosa crônica .

Seu sangue não flui das pernas para o coração como deveria. Isso causa um acúmulo de pressão nas veias.

A pressão adicional pode levar a uma ulceração na pele. Estas geralmente se formam no interior de suas pernas, logo acima do tornozelo.

Não se sabe exatamente como essa condição causa úlceras. Muitos médicos acreditam que também provoca uma diminuição do fluxo sanguíneo para os capilares das pernas.

Isso produz um acúmulo de glóbulos brancos. O acúmulo de células brancas do sangue restringe o oxigênio ao tecido. A falta de oxigênio causa danos e forma a úlcera.

Outra teoria é que a hipertensão venosa faz com que as células de outras partes do corpo vazem para a pele e influenciem o crescimento celular. Esse processo interfere no reparo do tecido danificado.

Quem tem risco de desenvolver úlceras de tornozelo?

Você pode ter um risco maior de desenvolver úlceras de estase venosa se tiver:

  • inchaço das pernas
  • uma história de coágulos sanguíneos
  • varizes
  • uma história de doenças inflamatórias

Se você tem um histórico familiar de úlceras, é possível desenvolvê-las também. Fumar também pode aumentar o risco de desenvolver úlceras de tornozelo, pois interfere com o fluxo de oxigênio através da corrente sanguínea.

Quais são os sintomas das úlceras de tornozelo?

As úlceras de estase venosa nem sempre são dolorosas, mas podem queimar ou coçar levemente.

Elas são geralmente vermelhas, com pele amarelada sobre elas. Uma úlcera infectada pode vazar fluido amarelo ou verde.

Sua pele pode ficar quente ao toque e a área ao redor da úlcera pode estar inchada e descolorida. Suas pernas podem doer e, dependendo do inchaço do tornozelo, a pele pode ficar tensa e parecer brilhante.

Como as úlceras de tornozelo são diagnosticadas?

Seu médico começará perguntando sobre seu histórico médico e sintomas.

Certifique-se de manter um registro de todos os seus sintomas, pois eles ajudarão seu médico a fazer um diagnóstico adequado.

Se você já teve a úlcera por um longo tempo, seu médico pode querer tirar uma amostra de tecido para se certificar de que não há câncer.

Ressonância magnética, tomografia computadorizada e radiografia também podem verificar a profundidade da sua úlcera e se tem osso afetado.

O seu médico também irá verificar a sua úlcera quanto à infecção.

Quais são os tratamentos para as úlceras de tornozelo?

O principal objetivo do tratamento da úlcera de estase venosa é curar a ferida, tratar qualquer infecção e aliviar a dor.

Terapia de compressão

A terapia de compressão é o tratamento usual para úlceras no tornozelo com estase venosa. Ajuda com o inchaço e ajuda a acelerar o processo de cicatrização. A compressão também ajuda na prevenção de úlceras repetidas.

Meias de compressão, envoltórios ou até mesmo uma atadura elástica enrolada em torno de sua perna até o joelho podem ajudar.

Você e seu médico podem determinar o método de compressão que funcionará melhor para você e seu tipo de úlcera.

Medicamentos

Seu médico pode prescrever medicamentos como aspirina se o tratamento de compressão não for eficaz.

Você pode precisar tomar diuréticos por um curto período de tempo se tiver um inchaço significativo.

É importante que você tome todos os medicamentos prescritos conforme as instruções.

Tratamento de feridas

Existem vários tipos de curativos que você pode usar para uma úlcera, incluindo curativos antimicrobianos, de colágeno, compostos e substitutos da pele.

Seu médico pode explicar as vantagens de cada tipo e aconselhá-lo sobre o que é melhor para você.

Eles podem até encaminhá-lo para uma clínica especializada no tratamento de feridas.

Mantenha a área da úlcera limpa e troque o curativo da úlcera, conforme instruído para estimular a cicatrização.

Beba sempre muitos líquidos, faça uma dieta saudável e descanse e se exercite adequadamente. Uma boa saúde geral acelerará seu processo de cura.

Como posso evitar úlceras no tornozelo?

Uma forma de prevenir o desenvolvimento de úlceras de estase venosa é elevar as pernas acima do coração por pelo menos 30 minutos, várias vezes ao dia.

Limite de pé prolongado ou sentado. Isso ajuda a reduzir a pressão e o inchaço que podem causar úlceras de estase venosa. Também ajudará na circulação sanguínea.

Tente elevar suas pernas na cama à noite, se possível. Além disso, tente limitar o teor de sal em sua dieta e verifique regularmente a sua pressão arterial em busca de alterações.

Às vezes, perder peso pode aliviar parte da pressão nas pernas.

Verifique com seu médico para ver se eles acreditam que a perda de peso é apropriada para você.

Fonte: Bionext

Úlceras de pressão

0

As escaras de decúbito, ou de pressão, são feridas que aparecem na pele de indivíduos que permanecem muito tempo na mesma posição, como ocorre em pacientes internados em um hospital ou que ficam acamados dentro de casa, sendo muito comum também nos paraplégicos, já que estes passam muito tempo sentados na mesma posição.

As escaras podem ser classificadas de acordo com a sua gravidade, podendo ser:

  • Grau 1 – Eritema ou hiperemia:a lesão atinge as camadas superficiais da pele, que permanece íntegra. No local, surge uma mancha avermelhada que costuma desaparecer depois de algum tempo, se a pressão for aliviada;
  • Grau 2 – Isquemia:o ferimento compromete todas as camadas da pele e o tecido subcutâneo e, pode formar- se uma bolha, aparecer uma esfoladura ou um orifício superficial na área afetada;
  • Grau 3 – Necrose:a lesão e atinge o tecido muscular, adquire coloração arroxeada e pode abrigar um nódulo endurecido;
  • Grau 4 – Ulceração:a lesão progride em profundidade, há destruição da pele e dos músculos; os ossos e articulações ficam expostos.

EVOLUÇÃO DE UMA ESCARA

O maior perigo é a infecção que pode ocorrer nessas feridas. Bactérias podem entrar facilmente no corpo do indivíduo por uma escara aberta e malcuidada, trazendo maiores complicações. Nas pessoas com a sensibilidade preservada, as escaras doem muito. Caso contrário, podem evoluir sem que o paciente se dê conta de sua presença.

AGENTE CAUSADOR

As causas das escaras estão relacionadas à má circulação sanguínea naquela região específica e elas começam de dentro para fora. Quando uma escara aparece na pele, significa que ela já estava sendo formada há algum tempo dentro do músculo do indivíduo. Os locais mais frequentes das escaras são: sacro, quadril, calcanhar, orelhas, ombros, joelhos e escápulas.

Vários são os fatores que podem influir no sentido de provocar uma lesão deste tipo como fricçãoincontinência urinária, deficiência de vitamina, infecções, pressão arterial alterada, edemas, umidade excessiva, incontinência fecal, desnutriçãotraumas e imobilidade, por exemplo.

O problema é passível de ocorrer tanto em homens quanto em mulheres sem qualquer espécie de restrição de idade.  Quando uma região de tecido mole fica por muito tempo comprimida entre uma estrutura óssea e uma superfície dura é comum a escara se desenvolver.

A parte da população mais vulnerável a esta condição somos nós PCDs, Tetra/Paraplégicos, idosos e pacientes que se encontram hospitalizados, por exemplo, acabam enfrentando as úlceras de pressão com maior frequência, até mesmo devido ao fato da locomoção restrita.

DIAGNÓSTICO

É fácil observar o desenvolvimento das lesões. No início é apenas uma leve vermelhidão local, porém com o passar dos dias pode haver destruição da pele e até mesmo exposição dos ossos. Desta forma é bastante comum que pessoas com escara procure por ajuda médica.

Através de uma minuciosa análise clínica o profissional já começa a suspeitar do mal. A aparência da lesão é característica. Alguns exames laboratoriais podem ser feitos, assim como biopsia de tecido, para que outras enfermidades sejam excluídas. Após a certeza do diagnóstico, deve-se dar início imediato a um tratamento.

A escara pode piorar consideravelmente caso não seja tratada e pode voltar a aparecer se os devidos cuidados não forem tomados. Portanto, é muito importante que pessoas pré-dispostas tomem medidas preventivas, caso contrário irão viver com este incômodo frequentemente.

SINTOMAS

Logo no início diz haver uma situação de hiperemia, ou seja, há uma vermelhidão no local, porém a pele ainda não foi gravemente atingida. Geralmente este sinal ocorre quando a pressão dura algo em torno de 30 minutos no máximo. Em poucas horas tende a desaparecer.

Quando a pressão é contínua e por mais de 2 horas a lesão começa a comprometer a pele. Pode surgir algo semelhante a uma bolha ou a uma abrasão. Nestes casos diz-se haver uma situação de isquemia e o machucado tende a desaparecer por volta de 3 dias depois. Caso haja necrose devido a uma pressão por mais de 6 horas na mesma região. Logo se pode notar um arroxeado e, em certos casos, um pequeno nódulo endurecido. Nesta situação a lesão já é mais grave e necessita de um tempo maior para sumir e de um tratamento adequado.

O estágio de ulceração é o mais grave. Caso a pressão não cesse a escara vai se aprofundando a ponto de destruir a pele, os músculos e até mesmo expor os ossos. A aparência é preocupante e o tratamento deve ser intensivo.

PREVENÇÃO

Os princípios básicos para a prevenção de qualquer úlcera de pressão são uma alimentação adequada, cuidados e higiene com a pele, estimulação da área pressionada e alívio da pressão na mesma de tempos em tempos.

Para algumas pessoas como os paraplégicos e os hospitalizados, pode ser difícil evitar estas lesões. Por isto é importante estar sempre mudando estes indivíduos de posição, manter a pele hidratada e limpa, evitar a umidade, utilizar colchões macios e manter as roupas de cama limpas e bem esticadas, por exemplo.

Uma alimentação rica em proteína ajuda na cicatrização da pele e na prevenção das lesões, assim como a movimentação, já que promove uma circulação. Portanto, é necessário estimular a deambulação. Pacientes que utilizam fraldas devem ter estas trocadas de 3 em 3 horas no mínimo. Outra medida muito indicada é utilizar sabonetes com ph neutro na região genital.
Sempre que possível é bom mudar de posição, nem que seja de um lado para o outro na cama. Manter travesseiros macios na região embaixo dos ombros e dos cotovelos também é uma boa alternativa.

TRATAMENTO

O tratamento para as escaras varia de acordo com a gravidade e extensão das lesões.

Lesões iniciais nos graus 1 e 2 e até mesmo no grau 3, se forem pequenas, costumam regredir por si mesmas, desde que a pressão sobre a pele seja interrompida e os cuidados profiláticos (as medidas preventivas já citadas) forem mantidos. Há casos, porém, em que pode ser necessário recorrer ao uso de antibióticos e curativos especiais.

O tratamento consiste na limpeza da ferida com jatos de sorofisiológico, de preferência morno. O soro fisiológico, além de limpar a ferida, não destrói o que o corpo já vinha reconstruindo. É, portanto, uma excelente opção de tratamento.

Caso a lesão esteja em um estágio mais avançado e já apresente crosta preta, um profissional deve ser contatado para que cuide da ferida, com a finalidade de retirar esta camada endurecida. Após a limpeza um curativo deve ser feito de forma a manter a umidade no nível ideal. É preciso retirar o excesso de exsudato e garantir o isolamento térmico. A gaze deve ser impermeável – a gaze deve ser estéril ou o rayon deve ser estéril.

TRATAMENTOS CIRÚRGICOS PODEM SER CONSIDERADOS EM CERTAS CIRCUNSTÂNCIAS.

Úlceras que atingiram o grau 4 podem demandar uma intervenção cirúrgica de desbridamento para eliminar os tecidos infectados e mortos, assim como um transplante de pele para facilitar o fechamento da ferida.

A escarectomia, por exemplo, é a retirada total da região necrosada. Já a osteotomia retira algumas proeminências ósseas debaixo da escara. Pode-se também elaborar uma cobertura especial para cada escara. Entretanto, a prevenção é a melhor solução para estas lesões. Diante de qualquer espécie de machucado, não hesite em consultar um médico.

osteomielite – infecção óssea causada por bactérias provenientes de um foco infeccioso com origem nas escaras – é uma complicação grave e de tratamento difícil dessas lesões de pele.

Sempre é bom relembrar que o melhor remédio para as escaras é evitar que elas se formem nas áreas mais sensíveis à pressão. Existem alguns recursos úteis para ajudar as pessoas que correm maior risco:

* usar almofadas de proteção para aliviar a pressão nas regiões mais vulneráveis à compressão;

* examinar a pele de todo o corpo, especialmente nos pontos de pressão;

* não esfregar a pele durante os cuidados básicos de higiene pessoal;

* secar bem a pele depois do banho e hidratá-la convenientemente com fórmula de Dersani/Óleo de girassol, capriche nas massagens;

* dar preferência à roupa de cama de algodão, que deve ser bem esticada e livre de dobras que possam pressionar ou macerar a pele;

* trocar com frequência as fraldas dos pacientes com incontinência urinária ou fecal;

* estimular a movimentação respeitando sempre as possibilidades físicas e motoras do paciente de 2 em 2 horas.

Fonte: Bionext

Urticária

0

Sem saber bem por que, a pele começa a coçar. E não é aquela coceira comum, que logo passa. É uma comichão incontrolável e insuportável: a urticária.

Só quem teve sabe o quanto ela pode comprometer a qualidade de vida, principalmente nos casos crônicos. No entanto, é importante conhecer bem o que é esse distúrbio de pele e saber que existem remédios naturais, que podem ser um excelente complemento ao tratamento regular.

Saiba abaixo mais sobre a urticária.

A urticária é uma reação alérgica da pele, caracterizada por manchas avermelhadas e protuberantes na pele, inchaço e coceira. A comichão ocorre por que a pele libera uma substância chamada histamina na corrente sanguínea, provocando o sintoma. Muitos são os fatores que podem causar urticária, mas nem sempre há um fator desencadeante claro. Entre os fatores causais estão:

  • Alimentos, como frutos do mar, amendoim, leite, produtos com conservantes e corantes
  • Pólen das flores
  • Pelos de animais
  • Estresse
  • Temperaturas extremas
  • Produtos de limpeza
  • Picadas de abelha
  • Medicamentos
  • Algumas doenças, como lúpus.

Os episódios de urticária costumam desaparecer em 24 horas.

URTICÁRIA NERVOSA

A saúde emocional pode interferir significativamente nas reações de pele, como a urticária. Por isso existe a urticária nervosa, que acontece quando o indivíduo passa por alguma tensão ou estresse, provocando a comichão que caracteriza esse problema. Geralmente, o uso de pomadas ou medicamentos específicos podem ser úteis, mas é importante também fazer um acompanhamento psicológico do quadro.

URTICÁRIA GIGANTE

A urticária gigante – ou angioedema – é uma reação de pele que provoca um grave inchaço de pele, como nos olhos, lábios, mãos e pés. Pode ainda ocorrer internamente, causando obstrução das vias aéreas, o que pode ser bem perigoso. Existe um tipo de urticária gigante que é hereditário e costuma ser mais grave. Quando o edema afeta apenas a pele, muitas vezes, apenas medicamentos específicos já são suficientes. Mas se a pessoa sente dificuldades de respirar durante o episódio, é considerado uma emergência médica.

URTICÁRIA EM BEBÊS

Bebês também podem sofrer com urticárias, e as causas costumam ser as mesmas que as dos adultos, lembrando que crianças pequenas são mais vulneráveis, pois o sistema imunológico ainda é imaturo. Nesse caso a urticária pode durar apenas algumas horas ou até meses. Vale lembrar também que essa reação de pele não é contagiosa.

URTICÁRIA CRÔNICA

Quando não há um fator desencadeante claro e os episódios de urticária duram mais de 6 semanas, muito provavelmente trata-se de um caso de urticária crônica. Estima-se que de 0.5 a 1% das pessoas tenham essa doença. Ela é mais comum em mulheres, principalmente, na faixa entre 20 e 40 anos. Quem tem urticária crônica costuma sentir uma perda considerável da qualidade de vida. Por isso é importante buscar o devido tratamento.

URTICÁRIA PEGA?

A urticária não é contagiosa. É apenas uma reação de pele, e não pode ser transmitida de pessoa para pessoa. O mais importante para quem desenvolve esse distúrbio é identificar a causa e utilizar, se necessário, medicamentos, como corticoides e antialérgicos.

URTICÁRIA TEM CURA

A urticária é um espécie de alergia. Por isso, faz-se o controle da doença, eliminando os fatores desencadeantes, e medicando, se preciso. Pode acontecer do indivíduo ter apenas um episódio de urticária e nunca mais desenvolver nada, mas algumas vezes o quadro pode tornar-se crônico. Estima-se que 30% das pessoas que tiveram urticária uma vez vão desenvolver a forma crônica da doença.

REMÉDIOS CASEIROS

Existem alternativas caseiras, que podem ser complementos interessantes ao tratamento da urticária. Lembrando que a avaliação de um especialista é sempre essencial e essas medidas devem ser adotadas como parte do tratamento regular. Conheça abaixo algumas dessas receitas caseiras para tratar urticária.

Chá de camomila e menta

Por terem efeito calmante, podem ser úteis para aliviar a comichão causada pela urticária. Para tanto basta tomar 2 ou 3 porções de chá dessas ervas todos os dias.

2. Compressa de água fria

A água fria alivia a coceira, pois reduz a ação da histamina na corrente sanguínea. Faça compressas no local, lembrando sempre de não colocar os cubos de gelo diretamente na pele para não queimar.

3. Vinagre de maçã

vinagre de maçã ajuda a aliviar a coceira, pois tem propriedades anti-histamínicas. Para fazer uso desse importante item, basta aplicar um pouco do líquido em um algodão e passar na região afetada, ou mergulhar a área em uma bacia com vinagre por cerca de 20 minutos.

4. Mel e hidraste

Misture duas colheres (chá) de mel e duas colheres (chá) de hidraste em pó, e aplique sobre a região afetada. Cubra com gaze (que deve ser trocada duas vezes ao dia). O hidraste ajuda a secar as lesões e o mel tem efeito calmante e antisséptico.

5. Cebola

A cebola é um poderoso anti-inflamatório e antisséptico. Para usá-la para tratar a urticária, corte a cebola em rodelas e aplique na região afetada. Deixe agir por pelo menos 30 minutos, cobrindo a área com uma toalha limpa.

6. Farinha de aveia e bicarbonato

A aveia é reconhecidamente um excelente aliado no alívio de coceiras de pele. Juntamente com o bicarbonato, pode ser bem útil para tratar urticárias. A farinha de aveia é anti-inflamatória, calmante e cicatrizante. Para fazer essa receita, misture 2 xícaras de farinha de aveia e 1 xícara de bicarbonato de sódio. Jogue a mistura em um recipiente com água morna e mergulhe a área afetada por 15 minutos.

Aloe Vera

Também conhecida como babosa, essa planta ajuda a aliviar a coceira, cicatrizar e reduzir o vermelhidão. Para tanto basta extrair o gel da aloe vera e passar na área afetada.


CÍNTIA FERREIRA
Paulistana formada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro, tem o blog Mamãe me Cria e escreve para GreenMe desde 2017.

Envelhecimento da Pele

0

O envelhecimento do organismo como um todo se relaciona com o fato das células somáticas do corpo começarem a morrer e não serem substituídas por novas, como acontece na juventude. Isso está ligado, entre outros fenômenos, ao envelhecimento celular. Fisiologicamente, o envelhecimento está associado à perda de tecido fibroso, à taxa mais lenta de renovação celular e à redução da rede vascular e glandular. A função de barreira que mantém a hidratação celular também fica prejudicada. Dependendo da genética e do estilo de vida, as funções fisiológicas normais da pele podem diminuir em 50% até a meia-idade. Como a pele é o órgão que mais reflete os efeitos da passagem do tempo, sua saúde e sua aparência estão diretamente relacionadas aos hábitos alimentares e ao estilo de vida escolhido. A radiação ultravioleta, o excesso de consumo de álcool, o abuso de tabaco e a poluição ambiental, entre outros, são fatores que “aceleram” o trabalho do relógio biológico provocando o envelhecimento precoce. Além disso, o aumento do peso corporal e dos níveis de açúcar no sangue também colabora para a pele envelhecer antes do tempo.  

Tipos de envelhecimento

Envelhecimento cutâneo intrínseco ou cronológico: é aquele decorrente da passagem do tempo, determinado principalmente por fatores genéticos, estado hormonal e reações metabólicas, como estresse oxidativo. Nele estão presentes os efeitos naturais da gravidade ao longo dos anos, como as linhas de expressão, a diminuição da espessura da pele e o ressecamento cutâneo. A pele tem efeitos degenerativos semelhantes aos observados em outros órgãos, mas reflete também certos aspectos da nossa saúde interior, como:

  • Genética: com o tempo, as células vão perdendo sua capacidade de se replicar. Este fenômeno é causado por danos no DNA decorrentes da radiação UV, de toxinas ou da deterioração relacionada à idade. Conforme as células vão perdendo a velocidade ao se replicar, começam a aparecer os sinais de envelhecimento.
  • Hormônios: ao longo dos anos há diminuição no nível dos hormônios sexuais, como estrogênio e testosterona, e dos hormônios do crescimento. Equilíbrio é fundamental quando se fala de hormônios. Diminuindo os níveis hormonais com o envelhecimento, acelera-se a deterioração da pele. Em mulheres, a variação nos níveis de estrogênio durante a menopausa é responsável por mudanças cutâneas significativas: o seu declínio prejudica a renovação celular da pele, resultando em afinamento das camadas epidérmicas e dérmicas.
  • Estresse oxidativo: desempenha papel central na iniciação e na condução de eventos que causam o envelhecimento da pele. Ele altera os ciclos de renovação celular, causa danos ao DNA que promovem a liberação de mediadores pró-inflamatórios, que, por sua vez, desencadeiam doenças inflamatórias ou reações alérgicas na pele. Além disso, células do sistema imunológico, chamadas langerhans, diminuem com o envelhecimento. Isto afeta a capacidade da pele de afastar o estresse ou as infecções que podem prejudicar sua saúde. Com o avançar da idade, diminui-se a imunidade, aumentando a incidência de infecções, malignidades e deterioração estrutural.
  • Níveis elevados de açúcar no sangue e glicação: glicose é um combustível celular vital. No entanto, a exposição crônica à glicose pode afetar a idade do corpo por um processo chamado de glicação. Ela pode ocorrer pela exposição crônica ao açúcar exógeno, nos alimentos, ou endógeno, como no caso do diabetes. A consequência principal desse processo é o estresse oxidativo celular, tendo como consequência o envelhecimento precoce.

Envelhecimento extrínseco da pele: é aquele provocado pela exposição ao sol e a outros fatores ambientais como: o estilo de vida (exercício físico, alimentação) e o estresse fisiológico e físico. Um dos agentes mais importantes é a radiação solar ultravioleta. As toxinas com as quais entramos em contato, como tabaco, álcool e poluição do ar, entre outros, também ajudam no processo de envelhecimento da pele e, dependendo do grau de exposição, podem acelerá-lo, como:

  • Radiação solar: atua na pele causando desde queimaduras até fotoenvelhecimento e aparecimento de câncer da pele. Várias alterações de pigmentação da pele são provocadas pela exposição solar, como manchas, pintas e sardas. A pele foto envelhecida é mais espessa, por vezes amarelada, áspera e manchada, e há um maior número de rugas.
  • Tabaco: fumantes possuem marcas acentuadas de envelhecimento na pele. O calor da chama e o contato da fumaça com a pele provocam o envelhecimento e a perda de elasticidade cutânea. Além disso, o fumo reduz o fluxo sanguíneo da pele, dificultando a oxigenação dos tecidos. A redução deste fluxo parece contribuir para o envelhecimento precoce da pele e para a formação de rugas, além de dar à pele uma coloração amarelada. Rugas acentuadas ao redor da boca são muito comuns em fumantes.
  • Álcool: altera a produção de enzimas e estimula a formação de radicais livres, que causam o envelhecimento. A exceção à regra é o vinho tinto que, se consumido moderadamente, tem ação antirradicais livres, pois é rico em flavonoides e em resveratrol, potentes antioxidantes;
  • Movimentos musculares: movimentos repetitivos e contínuos de alguns músculos da face aprofundam as rugas, causando as chamadas marcas de expressão, como as rugas ao redor dos olhos.
  • Radicais livres: são uns dos maiores causadores do envelhecimento cutâneo. Os radicais livres se formam dentro das células pela exposição aos raios ultravioleta, pela poluição, estresse, fumo etc. Acredita-se que os radicais livres provocam um estresse oxidativo celular, causando a degradação do colágeno (substância que dá sustentação à pele) e a acumulação de elastina, que é uma característica da pele foto envelhecida.
  • Bronzeamento artificial: a Sociedade Brasileira de Dermatologia condena formalmente o bronzeamento artificial que pode causar o envelhecimento precoce da pele (rugas e manchas) e a formação de câncer da pele. A realização desse procedimento por motivações estéticas é proibida no Brasil desde 2009.
  • Alimentação: uma dieta não balanceada contribui para o envelhecimento da pele. Existem elementos que são essenciais e devem ser ingeridos para repor perdas ou para suprir necessidades, quando o organismo não produz a quantidade diária suficiente. O excesso de açúcar também “auxilia” a pele a envelhecer mais depressa, como já foi dito anteriormente.  

Fonte: SBD – Sociedade Brasileira de Dermatologia

Angioma Rubi

0

O angioma rubi, também chamado angioma senil ou nevus rubi, são bolinhas vermelhas que aparecem na pele na vida adulta e que podem aumentar de tamanho e quantidade com o envelhecimento. É bastante frequente e não representa risco para a saúde, no entanto, se houver sangramentos, deve-se procurar um dermatologista para diagnóstico mais preciso.

Normalmente surge em locais de pouca visualização, como couro cabeludo e costas, mas também pode estar presente no tronco e rosto, com menos frequência. É a principal doença de pele do idoso e não apresenta sintomas.

Inicialmente, são manchas pequenas, planas e vermelhas, mas que com o envelhecimento, podem aumentar de tamanho, chegando aos 5mm, e terem coloração vermelho brilhante.

Essas manchas não regridem, ou seja, só podem ser retiradas com algum tipo de tratamento, e têm evolução lenta.

Causas do Angioma Rubi

Ainda não se sabe exatamente qual é a causa do seu aparecimento, porém existem fatores que estão relacionados com a sua ocorrência. São eles: envelhecimento da pele, exposição prolongada ao sol e a compostos químicos, e o estresse. Além disso, pessoas que têm diabetes têm maiores chances de ter angioma rubi e em maior quantidade.

Tratamentos

O tratamento do angioma rubi depende da quantidade e da localização. Normalmente, é feito com fim estético e pode ser através de:

  • Laser, que promove diminuição do fluxo de sangue no vaso, eliminando o angioma;
  • Crioterapia, em que é colocado um spray de nitrogênio líquido sobre a mancha vermelha;
  • Eletrocoagulação, onde é aplicada uma corrente elétrica no angioma;
  • Escleroterapia, que é uma técnica em que é injetada uma substância no vaso sanguíneo para eliminá-lo.

Prevenção

A melhor forma de prevenção do angioma rubi é usar filtro solar e evitar ficar exposto ao sol por muito tempo para que não haja envelhecimento precoce da pele, o que favorece o seu surgimento. Cuidar da saúde com uma boa alimentação e exercícios físicos também ajudam na prevenção pois combatem a diabetes e consequentemente o aparecimento do angioma rubi.

Fonte: Tua Saúde

Manchas na pele do idoso

2

Você já reparou que é muito comum o surgimento de manchas roxas de pele de idosos, principalmente nas mãos. Isso se chama púrpura senil.

O que é púrpura senil?

São hematomas causadas pelo extravasamento sanguíneo. Com o processo de envelhecimento, a nossa pele fica muito fina por causa da perda de colágeno, assim como as paredes dos vasos sanguíneos. Portanto, qualquer trauma, por menor que seja, pode provocar o rompimento desses vasos sanguíneos e o aparecimento das manchas vermelho-arroxeada.

As manchas somem porque o sangue é reabsorvido pelo organismo, como ocorre com qualquer hematoma. Quanto mais idosa for a pessoa, maior a chance de as manchas surgirem. Outro fator que aumenta o risco da púrpura senil é o uso de medicamentos como os anticoagulantes (indicados a pessoas que já sofreram AVC, enfarte ou formação de trombos) que deixam o sangue mais fluido e dificulta a coagulação. Os corticoides também aumentam a fragilidade das artérias, facilitando os sangramentos.

As manchas não são preocupantes para a saúde, afetam apenas a questão estética. Mas é preciso tomar cuidado para não machucar a região onde está o hematoma, pois ferida tem risco de infecção e pode ser um problema a mais para diabéticos.

Cuidados adicionais

Na hora do banho

Evite esfregar o corpo com esponjas. Isso pode tirar a barreira de proteção da pele e a deixa mais suscetível à púrpura senil. Prefira sempre os sabonetes de glicerina.

Proteja-se

Ao realizar alguma atividade, principalmente as que envolvam algum esforço, é recomendado usar roupas de manga comprida para proteger o braço de possíveis traumas que podem proporcionar o aparecimento da púrpura senil.

Evite o sol

A exposição da pele ao sol é o principal fator de envelhecimento extrínseco. Além do uso diário do filtro solar — que deve ser repassado a cada duas horas — recomenda-se o uso de roupas com proteção UVA e UVB.

Pegue leve

Ao segurar algum idoso pelo braço ou pelas mãos, tente apertar o menos possível. Qualquer pressão mais forte pode provocar o rompimento de um vaso sanguíneo.

 Por Diego Calheiros

Fonte: iBahia

Projeto “Conte Comigo”

2

Você tem algum ente querido com qualquer tipo de doença degenerativa?

Quem ajuda a cuidar? A família? Quem da família?

Quantas horas por dia você descansa? Quem revesa contigo?

Qual foi a última vez que você como Cuidador Informal, foi ao médico, ao cabeleireiro, viajou?

Qual foi a última vez que você parou para cuidar de você?

Você lembra onde você estava e o que estava fazendo quando foi escalada para cuidar de alguém?

Eu poderia passar uma vida inteira aqui enumerando os sentimentos e a situação que um Cuidador passa após trancar a porta e ficar entre 4 paredes com o ente querido. Familiares, amigos, todos somem

Há milhares sequelados por 1 Sujeito chamado Alzheimer, milhares que não recebem um telefonema, uma visita, um abraço…

Milhares que vivem uma rotina depressiva e que não há mais motivação alguma para continuar a lida.

Há milhares de Cuidadores cegos( devido ao peso que carregava sozinhos, durante décadas), impotentes, vazios, desmotivados.

Ha milhares de Cuidadores que perderam seu emprego e hojem vivem das migalhas de um salário mínimo do ente querido.

Há milhares de Cuidadores passando fome, frio, necessidades espirituais, financeiras

Há milhares de Cuidadores precisando de alguém que o ajude a dar um banho, que fique para ele poder dormir a noite porque o ente querido há dias perambula agitado pela casa.

Há milhares de Cuidadores Informais precisando de um tempinho meu, seu, nosso.

Faça parte deste projeto sendo o diferencial na vida de um Cuidador Informal.