Doença de Alzheimer

2
531

A doença de Alzheimer é a perda progressiva da função mental, caracterizada pela degeneração do tecido do cérebro, incluindo a perda de células nervosas, a acumulação de uma proteína anormal chamada beta-amiloide e o desenvolvimento de tranças neurofibrilares.
O esquecimento de acontecimentos recentes é um sinal precoce, seguido pelo aumento da confusão, prejuízo de outras funções mentais e problemas ao utilizar a linguagem e a compreensão e realização de tarefas diárias.
Os sintomas progridem de tal forma que as pessoas não podem realizar suas tarefas sozinhas, tornando-as totalmente dependentes dos outros.
Os médicos baseiam o diagnóstico nos sintomas e resultados de um exame físico, mental e de estado e utilizam exames de sangue, de urina e por imagem para identificar a causa.
O tratamento envolve estratégias para prolongar o funcionamento pelo maior tempo possível e pode incluir medicamentos que podem retardar a progressão da doença.
Não é possível prever por quanto tempo as pessoas viverão, mas a morte ocorre, em média, cerca de 7 anos após a constatação do diagnóstico.
A doença de Alzheimer é um tipo de demência, que é uma diminuição, lenta e progressiva da função mental, que afeta a memória, o pensamento, o juízo e a capacidade para aprender.

Em 60 a 80% dos idosos, a causa da demência é a doença de Alzheimer. É rara sua existência em pessoas com menos de 65 anos de idade. Torna-se mais comum com o aumento da idade. Nos Estados Unidos, estima-se que 10% das pessoas com 65 anos de idade ou mais sofram da doença de Alzheimer. O percentual de pessoas com doença de Alzheimer aumenta com a idade:

65 a 74 anos: 3%
75 a 84 anos: 17%
85 ou mais: 32%
A doença de Alzheimer afeta mais as mulheres do que os homens, em parte porque as mulheres vivem mais. Há uma previsão de aumento significativo no número de pessoas com a doença de Alzheimer conforme aumenta a proporção de pessoas idosas.
Causas
É desconhecido o que causa a doença de Alzheimer, mas uma parte disso provém de fatores genéticos: Cerca de 5 a 15% dos casos afetam pessoas com antecedentes familiares. Podem estar envolvidas várias anormalidades genéticas específicas. Algumas dessas anormalidades podem ser herdadas apenas quando um dos pais tem o gene anormal. Ou seja, o gene anormal é dominante. Um pai ou mãe afetado tem 50% de chance de transmitir o gene anormal para cada filho. Cerca de metade desses filhos desenvolvem a doença de Alzheimer antes dos 65 anos.
Uma anormalidade genética afeta a apolipoproteína E (apo E) – a parte da proteína de algumas lipoproteínas que transportam o colesterol através da corrente sanguínea. Existem três tipos de apo E:

Epsilon-4: As pessoas com o tipo epsilon-4 desenvolvem a doença de Alzheimer mais comumente e mais cedo do que as outras.
Epsilon-2: Em contraste, as pessoas com o tipo epsilon-2 parecem estar protegidas contra a doença de Alzheimer.
Epsilon-3: As pessoas com o tipo epsilon-3 não estão protegidas nem são mais propensas a desenvolver a doença.
No entanto, os testes genéticos para apo tipo E não podem determinar se uma pessoa específica desenvolverá a doença de Alzheimer. Portanto, esse teste não é recomendado rotineiramente.

Alterações no cérebro
Na doença de Alzheimer, as partes do cérebro degeneradas destroem as células nervosas e reduzem a capacidade de resposta das restantes a muitos dos mensageiros químicos que transmitem os sinais entre as células nervosas no cérebro (neurotransmissores). O nível de acetilcolina, um neurotransmissor que ajuda a memória, o aprendizado e a concentração, é baixo.

A doença de Alzheimer causa as seguintes anomalias no desenvolvimento do tecido cerebral:

Depósitos de beta-amiloide: Acumulação de beta-amiloide (uma proteína anormal e insolúvel) que se acumula, pois as células não podem processar e removê-la
Placas senis ou neuríticas: Aglomerados de células nervosas mortas em torno de um núcleo de beta-amiloide
Tranças neurofibrilares: Fios trançados de proteínas insolúveis na célula nervosa
Aumento dos níveis de tau: Uma proteína anormal componente das tranças neurofibrilares e do beta-amiloide
Tais anomalias se desenvolvem em algum grau em todas as pessoas à medida que envelhecem, mas são muito mais numerosas em pessoas com a doença de Alzheimer. Os médicos não têm certeza se as anormalidades no tecido cerebral causam a doença de Alzheimer ou resultam de algum outro problema que faz com que ocorra tanto a demência quanto as anormalidades no tecido cerebral.

Os pesquisadores também descobriram que as proteínas anormais na doença de Alzheimer (beta-amiloide e tau) se assemelham às proteínas anormais nas doenças causadas por príons. Ou seja, são mal dobradas e fazem com que outras proteínas fiquem mal dobradas, levando à progressão da doença.
Sintomas
A doença de Alzheimer provoca diversos dos mesmos sintomas como em outras demências, como o seguinte:

Perda de memória
Problemas em usar a linguagem
Mudanças na personalidade
Desorientação
Problemas ao fazer tarefas diárias habituais
Comportamento perturbador ou inapropriado
No entanto, a doença de Alzheimer também difere de outras demências. Por exemplo, a memória recente é normalmente afetada muito mais do que outras funções mentais.

Embora exista uma variação de quando os sintomas ocorrem, categorizá-los como sintomas precoces, intermediários ou tardios ajuda as pessoas afetadas, os familiares e outros cuidadores a terem uma ideia do que esperar. As mudanças de personalidade e o comportamento disruptivo (transtornos de comportamento) podem se desenvolver no início ou posteriormente na doença de Alzheimer.

Início da doença de Alzheimer
Os sintomas se desenvolvem gradualmente, de modo que por algum tempo muitas pessoas continuam desfrutando muito do que costumavam desfrutar antes de desenvolver a doença de Alzheimer.

Os sintomas geralmente começam de forma sutil. As pessoas cuja doença se desenvolve enquanto ainda estão empregadas podem não desenvolver seus trabalhos tão bem como antes. Em pessoas aposentadas e não muito ativas, as alterações podem não ser tão perceptíveis.

O primeiro e mais perceptível sintoma pode ser

Esquecimento de eventos recentes porque a formação de novas memórias é difícil
Algumas vezes na personalidade (as pessoas podem ficar emocionalmente insensíveis, deprimidas, com muito medo ou ansiedade).
No início da doença as pessoas têm uma capacidade reduzida de usar o bom senso e pensar de forma abstrata. Os padrões da fala podem mudar um pouco. As pessoas podem utilizar palavras mais simples, uma palavra geral ou muitas palavras, em vez de uma palavra específica ou utilizar palavras de forma incorreta. Podem não ser capazes de encontrar a palavra certa.

As pessoas com a doença de Alzheimer têm dificuldade de interpretar sinais visuais e de áudio. Assim, podem ficar desorientadas e confusas. Essa desorientação pode fazer com que seja difícil a condução de um carro. Podem se perder no seu caminho para a loja. As pessoas podem ser capazes de interagir socialmente, mas podem se comportar de forma estranha. Por exemplo, podem esquecer o nome de um visitante recente e suas emoções podem se alterar de forma imprevisível e rápida.

Frequentemente muitas pessoas com a doença de Alzheimer têm insônia. Podem ter problemas para adormecer ou manter o sono. Algumas pessoas ficam confusas sobre o dia e a noite.

Em algum momento, em muitas pessoas com doença de Alzheimer, ocorre o desenvolvimento de psicose (alucinações, delírios ou paranoia).
Posteriormente na doença de Alzheimer
Conforme a doença de Alzheimer progride, as pessoas têm dificuldade de lembrar de acontecimentos passados. Começam a esquecer os nomes de amigos e parentes. Podem precisar de ajuda com a alimentação, para se vestir, tomar banho e ir ao banheiro. Todos os sentidos de tempo e lugar são perdidos: As pessoas com a doença de Alzheimer podem até se perder em seu caminho para o banheiro em casa. Sua confusão crescente as coloca em risco de um ato errante e queda.

É comum o comportamento perturbador ou inapropriado, como ato errante, agitação, irritabilidade, hostilidade e agressão física.

Por fim, as pessoas com a doença de Alzheimer não podem andar ou cuidar de suas necessidades pessoais. Podem ficar incontinentes e incapazes de engolir, comer ou falar. Essas mudanças as colocam em risco de desnutrição, pneumonia e lesão por pressão (úlceras de decúbito). A memória é completamente perdida.

Em última análise, resulta em coma e morte, muitas vezes devido a infecções.

Distúrbios comportamentais na doença de Alzheimer
Devido ao fato de as pessoas serem menos capazes de controlar o seu comportamento, por vezes agem de forma inadequada ou disruptiva (por exemplo, gritando, se jogando, se debatendo ou errantes). Essas ações são chamadas de transtornos comportamentais.

Diversos efeitos na Doença de Alzheimer contribuem para este comportamento:
Devido ao fato de esqueceram as regras comportamentais adequadas, podem agir de forma socialmente inadequada. Quando estiver calor, podem se despir em público. Quando têm impulsos sexuais, podem se masturbar em público, usar linguagem vulgar ou obscena ou fazer exigências sexuais.
Conforme as pessoas com doença de Alzheimer têm dificuldade em compreender o que ouvem e o que veem, podem interpretar uma oferta de ajuda como uma ameaça, podendo ser violentas. Por exemplo, quando alguém tenta ajudá-las a se despir, podem interpretar essa ajuda como um ataque e tentar se proteger, por vezes, batendo na pessoa.
Levando-se em conta que a sua memória a curto prazo é deficiente, não se lembram do que lhes foi dito, nem do que fizeram. Repetem as perguntas e as conversas, solicitam atenção constante ou pedem coisas (como comida) que já receberam. Podem ficar agitadas e chateadas quando não recebem o que pedem.
Por não conseguirem expressar as suas necessidades com clareza ou de maneira alguma, podem gritar de dor ou perambular, quando se sentem sozinhas ou assustadas.
Se um determinado comportamento é considerado perturbador depende de muitos fatores, incluindo quanto o prestador de cuidados é tolerante e qual o tipo de situação que a pessoa com doença de Alzheimer está passando.

Quando as pessoas com doença de Alzheimer não conseguem dormir, podem vagar, gritar ou bradar.
Progressão da doença de Alzheimer
A progressão é imprevisível. As pessoas vivem, em média, cerca de 7 anos após o diagnóstico. A maioria das pessoas com a doença de Alzheimer que já não podem andar, não vivem mais que 6 meses. No entanto é muito variável o quanto as pessoas vivem.
Diagnóstico
Avaliação de um médico
Teste do estado mental
Geralmente os exames de sangue e exames por imagem descartam outras causas
O diagnóstico da doença de Alzheimer é semelhante ao de outras formas de demência.

Os médicos devem determinar se a pessoa apresenta demência e, se for o caso, se a demência é a doença de Alzheimer.

Os médicos geralmente podem diagnosticar a doença de Alzheimer com base no seguinte:

Sintomas, que são identificados ao perguntar à pessoa e seus familiares ou outros cuidadores
Resultados de um exame físico
Resultados do teste de estado mental
Resultados de testes adicionais, como exames de sangue, tomografia computadorizada (TC) ou imagem por ressonância magnética (RM)
Diagnóstico de demência
Testes de estado mental, consistindo de simples questões e tarefas, ajudam os médicos a determinar se as pessoas apresentam demência.

Algumas vezes, mais detalhes para os testes (chamados testes neuropsicológicos) são necessários. Esses exames cobrem todas as funções mentais principais, incluindo o estado de ânimo, e a sua realização dura de 1 a 3 horas. Esse teste ajuda os médicos a distinguir a demência de outras condições que podem causar sintomas semelhantes, tais como desgaste da memória associado à idade, do transtorno cognitivo leve e da depressão.

Informações das fontes acima podem geralmente ajudar os médicos a descartarem delirium como a causa dos sintomas. Fazer isso é essencial, pois o delirium, diferente da demência, pode frequentemente ser revertido se for tratado rapidamente. A diferença entre os dois inclui o seguinte:

A demência afeta principalmente a memória e o delirium afeta principalmente a atenção.
A demência normalmente apresenta início gradual e não um início definitivo. O delirium inicia-se repentinamente e frequentemente apresenta um início definitivo.
Diagnóstico da doença de Alzheimer
A doença de Alzheimer é suspeita quando o seguinte está presente:

O diagnóstico de demência foi confirmado.
Geralmente, o seu sintoma mais perceptível, especialmente no início, é esquecer eventos recentes ou não ser capaz de formar novas memórias.
Memória e outras funções mentais foram gradualmente se deteriorando e continuam a se deteriorar.
A demência se iniciou após os 40 anos e geralmente após os 65 anos.
Alguns sintomas podem ajudar os médicos a diferenciarem a doença de Alzheimer de outras demências. Por exemplo, alucinações visuais (ver coisas ou pessoas irreais) são mais comuns e ocorrem precocemente na demência por corpos de Lewy do que na doença de Alzheimer. Além disso, pessoas com doença de Alzheimer são frequentemente melhor preparadas e arrumadas do que pessoas com outras demências.

As informações de testes adicionais ajudam os médicos a confirmarem o diagnóstico da doença de Alzheimer e excluírem outros tipos e causas de demência.

A análise do líquido cefalorraquidiano (LCR), obtido durante uma punção lombar, e a tomografia por emissão de pósitrons (positron emission tomography, PET) podem ser utilizadas para ajudar a diagnosticar a doença de Alzheimer. Se a análise do LCR detectar um baixo nível de beta-amiloide e se os exames de PET mostrarem depósitos de amiloide no cérebro, o diagnóstico mais provável é tratar-se de doença de Alzheimer. No entanto, estes testes não estão rotineiramente disponíveis.

O diagnóstico da doença de Alzheimer pode ser confirmado apenas quando é removida uma amostra de tecido do cérebro (após a morte, durante uma autópsia) e examinada com um microscópio. Então, pode ser visto em todo o cérebro a característica de perda de células nervosas, tranças neurofibrilares e placas senis contendo beta-amiloide, particularmente na área do lobo temporal que está envolvida na formação de novas memórias.

Prevenção
Algumas pesquisas sugerem timidamente algumas medidas que podem ajudar a prevenir a doença de Alzheimer:

Controlar os níveis de colesterol: Algumas evidências sugerem que possuir níveis elevados de colesterol pode estar relacionado com o desenvolvimento da doença de Alzheimer. Assim, as pessoas podem se beneficiar de uma dieta baixa em gorduras saturadas e, se necessário, medicamentos (como as estatinas) para diminuir o colesterol e outras gorduras (lipídios).
Controlar a pressão sanguínea alta: A pressão sanguínea alta pode danificar os vasos sanguíneos que transportam o sangue para o cérebro e, assim, reduzir o suprimento de oxigênio do cérebro, possivelmente interrompendo as conexões entre as células nervosas.
Praticar exercícios: O exercício ajuda a melhorar a função do coração e, por razões pouco claras, pode ajudar no melhor funcionamento do cérebro.
Manter-se mentalmente ativo: As pessoas são incentivadas a continuar fazendo atividades que desafiam a mente, como o aprendizado de novas habilidades, fazer palavras cruzadas e leitura do jornal. Essas atividades podem promover o crescimento de novas conexões (sinapses) entre as células nervosas e, portanto, ajudar a retardar a demência.
Beber álcool em pequenas quantidades: Em pequenas quantidades (não mais que 3 doses por dia), o álcool pode ajudar a diminuir o colesterol e manter o fluxo sanguíneo. O álcool pode ajudar até mesmo com o pensamento e a memória, estimulando a liberação de acetilcolina e fazendo com que ocorra outras alterações nas células nervosas no cérebro. No entanto, não há evidências convincentes de que as pessoas que não bebem álcool devam começar a beber para prevenir a doença de Alzheimer. Uma vez desenvolvida a demência, geralmente é melhor abster-se do álcool, pois pode fazer com que os sintomas da demência piorem.
Tratamento
Medidas de segurança e apoio
Medicamentos que podem melhorar a função mental
O tratamento da doença de Alzheimer envolve medidas gerais para proporcionar segurança e apoio, da mesma forma que para todas as demências. Além disso, determinados medicamentos podem ajudar por um tempo. A pessoa com doença de Alzheimer, os familiares, outros cuidadores e os profissionais da área da saúde envolvidos devem discutir e decidir sobre a melhor estratégia a ser seguida.

São tratadas a dor e outras doenças ou problemas de saúde (por exemplo uma infecção do trato urinário ou uma constipação). Esse tratamento pode ajudar a manter a função em pessoas com demência.

Medidas de segurança e apoio
Criar um ambiente seguro e de apoio pode ser muito útil.

Geralmente, o ambiente deve ser iluminado, alegre, seguro, e estável e projetado de tal forma que ajude com a orientação. Alguns estímulos, como rádio ou televisão, são úteis, mas estímulos excessivos devem ser evitados.

A estrutura e a rotina ajudam as pessoas com doença de Alzheimer a ficarem orientadas e obter uma sensação de segurança e estabilidade. Qualquer alteração no ambiente, rotinas ou cuidadores deve ser explicada para as pessoas de forma clara e simples.

Seguir uma rotina diária de tarefas como tomar banho, comer e dormir ajuda as pessoas com doença de Alzheimer a lembrarem das coisas. Seguir uma rotina regular na hora de dormir pode ajudá-las a dormir melhor.

Atividades programadas regularmente podem ajudar as pessoas a se sentirem independentes e necessárias, concentrando sua atenção em tarefas prazerosas ou úteis. Tais atividades devem incluir atividades físicas e mentais. As atividades devem ser divididas em pequenas partes ou simplificadas conforme ocorre a piora da demência.
Medicamentos
Os inibidores da colinesterase donepezila, galantamina e rivastigmina aumentam o nível do neurotransmissor acetilcolina no cérebro. Esse nível pode ser baixo em pessoas com doença de Alzheimer. Esses medicamentos podem melhorar temporariamente a função mental, incluindo a memória, mas não retardam a progressão da doença. Apenas algumas das pessoas que têm a doença de Alzheimer se beneficiam desses medicamentos. Para essas pessoas, os medicamentos podem regredir efetivamente a doença em 6 a 9 meses. Esses medicamentos são mais eficazes em pessoas com doença leve a moderada. Os efeitos colaterais mais comuns incluem náuseas, vômitos, perda de peso e dor abdominal ou cãibras.

A memantina parece retardar a progressão da doença de Alzheimer. A memantina pode ser utilizada com um inibidor de colinesterase.

Os pesquisadores continuam estudando os medicamentos que podem prevenir ou retardar a progressão da doença de Alzheimer, por exemplo, substâncias que podem reduzir a quantidade depositada de amiloide. Existe um estudo da terapia com estrogênio para as mulheres, medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs, como o ibuprofeno ou o naproxeno), e o ginkgo biloba. Mas nenhum desses se mostrou eficaz de forma consistente. Além disso, o estrogênio parece fazer mais mal do que bem.

A vitamina E é um antioxidante que, teoricamente, pode ajudar a proteger as células nervosas de danos ou ajudá-las a trabalhar melhor. Ainda não está claro se a vitamina E é útil.

Antes de as pessoas tomarem qualquer suplemento alimentar, elas devem discutir os riscos e os benefícios com seu médico.

Cuidado dos cuidadores
Cuidar de pessoas com doença de Alzheimer é estressante e exigente, e os cuidadores podem ficar deprimidos e exaustos, muitas vezes negligenciando a própria saúde física e mental. As seguintes medidas podem ajudar os cuidadores:

Aprender como atender com eficácia as necessidades das pessoas com doença de Alzheimer e o que esperar delas: Os cuidadores podem obter esta informação de enfermeiros, assistentes sociais, organizações e materiais publicados e on-line.
Procurar ajuda quando for necessário: Os cuidadores podem falar com os assistentes sociais (incluindo aqueles do hospital da comunidade local) sobre fontes apropriadas de ajuda, como programas de auxílio, visitas de enfermeiros em casa, assistência de manutenção da casa em tempo integral ou parcial e a assistência residente. Aconselhamento e grupos de apoio também podem ajudar.
Cuidar de si mesmo: Os cuidadores precisam lembrar que devem cuidar de si mesmos. Não devem desistir de manter contato com seus amigos, de realizar seus hobbies e atividades.
Tratamento em longo prazo
O planejamento para o futuro é essencial, uma vez que a doença de Alzheimer é progressiva. Muito antes de uma pessoa com doença de Alzheimer ser transferida para um ambiente mais favorável e estruturado, os familiares devem planejar essa transferência e avaliar as opções para cuidados em longo prazo. Esse planejamento envolve geralmente os esforços de um médico, um assistente social, enfermeiros e um advogado, mas a maior parte da responsabilidade recai sobre os familiares.

As decisões sobre a transferência de uma pessoa com doença de Alzheimer para um ambiente mais favorável envolvem equilibrar pelo maior tempo possível o desejo de manter a pessoa segura, com o desejo de manter a sensação de independência dessa pessoa.

Alguns estabelecimentos de cuidados de longo prazo especializam-se em cuidar de pessoas com doença de Alzheimer. Os funcionários são treinados para entender conforme as pessoas com doença de Alzheimer pensam e agem e como responder a elas. Essas instalações têm rotinas que fazem com que os moradores se sintam seguros e realizam atividades apropriadas que proporciona a eles uma sensação de produtividade e envolvimento com a vida. A maioria das instalações têm características adequadas de segurança. Encontrar uma instalação que apresente características adequadas de segurança é importante.
Assuntos relacionados ao final da vida
Antes que as pessoas com doença de Alzheimer fiquem muito incapacitadas, devem ser tomadas decisões sobre os cuidados médicos e devem ser feitos acordos financeiros e legais. Estes acordos são chamados de instruções prévias. As pessoas devem nomear alguém que esteja legalmente autorizado a tomar decisões de tratamento em seu nome (intermediário para os cuidados com a saúde). Devem discutir seus desejos de cuidados de saúde com essa pessoa e seu médico ( Questões legais e éticas no fim da vida). Essas questões são discutidas com todos os envolvidos muito antes da necessidade de tomada de decisão.

Conforme a doença de Alzheimer piora, o tratamento tende a ser dirigido para manter o conforto da pessoa em vez de tentar prolongar a vida.
Por Juebin Huang , MD, PhD, Memory Impairment and Neurodegenerative Dementia (MIND) Center, University of Mississippi Medical Center
Última revisão/alteração completa março 2018 por Juebin Huang, MD, PhD

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui